O Canto Livre de Nara Leão: Engajamento Artístico, Sonoridade e Gesto Vocal

Ismael de Oliveira Gerolamo

Abstract


Nara Leão, a name immediately associated with bossa nova, though little of her production was really associated with bossa nova during the 1960s. At the beginning of the decade, Nara and some of her colleagues changed the directions of Brazilian popular music by approaching more intellectual artists of theater and cinema as well as sectors of the Brazilian left. They effectively established a new song segment, setting the stage for what would be later called "Brazilian protest song". In this article, we take O canto livre de Nara (her third LP) as a privileged object to understand the way in which the interpreter's vocal gesture seems to converge with certain poetic and political perspectives prevailing in the period.

Keywords


Music and politics; Brazilian Popular Music; Vocal Performance; Sonority

Full Text:

PDF

References


Bibliography

Cabral, S. 2001. Nara Leão: uma biografia. Rio de Janeiro: Lumiar.

Contier, A. 1998. Edu Lobo e Carlos Lyra: o nacional e o popular na canção de protesto. Revista Brasileira de História, v. 18 (35): 13-52.

Galard, J. 2008. A beleza do gesto: uma estética das condutas. São Paulo: Edusp.

Guigue, D. 2011. Estética da Sonoridade: a herança de Debussy na música para piano do século XX. São Paulo: Perspectiva.

Gullar, F. 1965. Encarte (texto da contracapa) in: Leão, N. 1965. O canto livre de Nara. Philips, 1965, Brasil.

O Jornal —

a Exaltação ao sentimento de Liberdade. Teatro (coluna). Rio de Janeiro, 2º caderno, p. 3, 24 abril.

b. Variações em torno da Liberdade. Rio de Janeiro, 3 caderno, p. 1, 23 maio.

Leão, N. —

Nara de uma bossa só. Entrevista concedida a Juvenal Portella. Fatos e Fotos, ano 4, n 194, p. 12-13, 17 out.

Nara: não há tempo para cantar o amor. Depoimento. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, Primeira seção, p. 6-14, 13 jul.

Resolvi assumir o medo para voltar a cantar. Depoimento. O Globo. Rio de Janeiro, 1 caderno (geral), p. 3, 22 fev.

(1977). Depoimento. Museu da Imagem e do Som – MIS. Rio de Janeiro, 6 jul. 1977. (Depoimento de Nara Leão a João Vicente Salgueiro, Roberto Menescal e Sérgio Cabral). In: GOMES, A. A. de A. (Org.). Nara Leão – Encontros. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2014.

Machado, R. 2012. Da intenção ao gesto interpretativo: análise semiótica do canto popular brasileiro. PhD. Universidade de São Paulo (USP), São Paulo (Brasil).

Mammì, L. 2014. A era do disco – questões da música. Piauí, n 89, february. https://piaui.folha.uol.com.br/materia/a-era-do-disco/ Accessed: 2 sep. 2015.

Michalski, Y. —

Teatro (coluna). Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 2 caderno, p. 5, 8 dez.

Teatro (coluna). Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 2 caderno, p. 2. 13 jul.

Molina, S. 2014. A composição de música popular cantada: a construção de sonoridades e a montagem dos álbuns no pós-década de 1960. PhD. Universidade de São Paulo (USP), São Paulo (Brasil).

Napolitano, M. 2007. A síncope das ideias: a questão da tradição na música popular brasileira. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo.

Oliveira, A. 1964. Encarte (texto da contracapa) in: Leão, N. 1964. Nara. Elenco, March, Brasil.

Opinião. 1964. Programa original do espetáculo Opinião. Rio de Janeiro, dezembro. (Arquivo digitalizado disponível em http://naraleao.com.br/

index.php?p=documentos Accessed: 18 June 2016.

Oscar, H. 1968. Teatro (coluna). Diário de Notícias, 2 seção, p. 2, 12 jul.

Paranhos, K. 2012. Engajamento e intervenção sonora no Brasil pós-64: a ditadura militar e os sentidos plurais do show Opinião. Pitagoras 500, 2 (1): 73-82.

Ridenti, M.—

Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era da TV. Rio de Janeiro: Record.

Brasilidade Revolucionária: um século de cultura e política. São Paulo: Unesp.

Rocha, G. 1964. Encarte. In: Ricardo, S.; Rocha, G. Deus e o diabo na terra do sol. Forma, 1964, Brasil.

Schwarz, R. 2009. Cultura e Política. 3 ed. São Paulo: Paz e Terra.

Silvestre, E. 1969. Estou apenas começando. Interview with Paulo Autran. O Cruzeiro. Rio de Janeiro, v. 41, n 31, 31 jul., 1969. p. 35-37.

Última Hora. 1965. Liberdade, Liberdade simboliza resistência. Última Hora. Rio de Janeiro, 2 caderno, p. 10, 26 abr.

Vicelmo, A. 2010. Há 70 anos morria o último chefe do Cangaço. Diário do Nordeste. Fortaleza, 25 mai., 2010. http://diariodonordeste.verdesmares. com.br/cadernos/regional/ha-70-anosmorria-o-ultimo-chefe-do-cangaco1.

Accessed: 29 oct. 2017.

Discography

Leão, N. —

Nara. Elenco, March, Brasil.

Opinião de Nara. Philips, November, Brasil.

a. O canto livre de Nara. Philips, 1965, Brasil.

Leão, N. et al. —

b. Opinião. Philips, 1965, Brasil.

Liberdade, Liberdade. Forma, 1966, Brasil.

Lyra, C. 1963. Depois do Carnaval – o sambalanço de Carlos Lyra, Philips, Brasil.

Ricardo, S.; Rocha, G. 1964. Deus e o diabo na terra do sol. Forma, Brasil.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.